Pular para o conteúdo principal

DESTAQUE:

Setembro Amarelo é mais do que uma campanha

 Oi oi pessoas, como vocês estão? Essa semana é a minha estreia aqui no blog e vou conversar com vocês sobre saúde mental, bem-estar e autoconhecimento. E já que estamos no mês de Setembro acredito que é importante falarmos do Setembro Amarelo. Você já ouviu algo sobre isso?  Como começou a campanha Setembro Amarelo? Em 1994, um jovem americano de 17 anos, chamado Mike Emme, tirou a própria vida dirigindo seu carro amarelo. Comovidos com a situação, seus amigos e familiares distribuíram no seu funeral cartões com fitas amarelas e mensagens de apoio para pessoas que estivessem passando o mesmo desespero de Mike, e a mensagem foi espalhada mundo afora e chegou no Brasil.  Aqui no Brasil a campanha Setembro Amarelo foi criada a fim de informar a população e prevenir o suicídio. Afinal de contas, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a cada 40 segundos uma pessoa tira a própria vida em algum lugar do planeta, e o suicídio é a segunda principal causa de morte em jovens com idades en

The Bold Type: Moda, Amizade e Exemplo de Liderança



Olá menines, tudo bem? Hoje vamos falar da série que é a queridinha do momento, que para mim, particularmente, reúne tudo o que eu gosto e tudo o que eu sou: moda, redes sociais, redação e o sonho de liderar minha própria revista. The Bold Type é tudo isso, mas de uma forma leve, descontraída, divertida e cativante, tudo o que estamos precisando neste momento.
The Bold Type - Wallpaper - Reprodução.


Basicamente The Bold Type é sobre a vida das três amigas Jane Sloan (Katie Stevens), Kat Edison (Aisha Dee) e Sutton Brady (Meghann Fhay), mas não se prenda a essa premissa, porque os demais personagens são igualmente cativantes e tem muito a ensinar, especialmente a minha rainha do universo Jacqueline Carlyle (Melora Hardin) de quem eu vou falar mais à frente.

As três amigas trabalham para a revista Scarlet, que é uma revista de moda, mas que aborda outros assuntos, como feminismo e empoderamento feminino. Jane é jornalista redatora, Kat é chefe de redes sociais e Sutton é estagiária assistente administrativa com os dois pés na área de moda. As três amigas compartilham diariamente absolutamente tudo: acontecimentos no trabalho (inevitável, já que trabalham juntas), os problemas, relacionamentos, conflitos, dúvidas, medos, e claro, as suas conquistas, no conhecido fashion closet, onde elas costumam se encontrar no meio do expediente para ter suas "reuniões".

A trama nos prende e cativa principalmente por isso: a amizade entre Jane, Kat e Sutton é de uma união e lealdade inabaláveis. Além disso, nos identificamos com os personagens e seus conflitos na vida profissional, amorosa e familiar.
 

Glamour e Uma Produção de Tirar o Fôlego

Claro que além da intimidade dos personagens, The Bold Type prende pela beleza estética também: cenários impecáveis e figurinos dos sonhos levam o espectador ao mundo da moda como se estivéssemos de fato dentro da trama. Esse contato que a série nos traz com os editoriais de moda, a rotina de criação de uma revista, os bastidores, é muito gostoso para quem está assistindo e leva a gente a sonhar com aquele universo. Mas eu como uma publicitária e como modelo posso dizer que nem tudo é tão perfeitamente encaixado não, viu... Ambas profissões são incríveis e a gente se redescobre a cada novo trabalho, porém também tem altos perrengues que a série mostra de uma forma bem sutil, inclusive, mas claro, isso não é um problema. Outra coisa que me fez questionar desde o primeiro momento é o fato de as meninas estarem sempre dentro do fashion closet no meio do expediente, como se não tivesse trabalho a fazer, e além disso, em algumas ocasiões usarem as roupas que tem lá dentro. Eu sinceramente vejo isso como um "enfeite" para a série, para deixar mais interessante. Porém, repito, não é algo ruim, pelo contrário, nós precisamos mesmo de roteiros mais "docinhos" neste momento, não é verdade? De todo modo, é um universo incrível e que certamente nos cativa ainda mais.

Jacqueline Carlyle: A Musa Inspiradora


Jacqueline Carlyle (Melora Hardin). Foto: Reprodução.


Se eu fosse escolher o nome da série seria Jacqueline Carlyle! Sem dúvidas é um dos personagens mais marcantes que você vai conhecer, Jacqueline é o exemplo de liderança que todo mundo precisa. Inspiradora, Jacqueline é auto-confiante, observadora, ousada e ao mesmo tempo cautelosa, está sempre incentivando sua equipe a dar o seu melhor e a se superar, dona de uma sabedoria e força inabaláveis. As lições de Jacqueline na série merecem ser levadas para a vida, com ela vemos que para chegar ao lugar em que sonhamos, é preciso levantar, dia após dia, acreditando em nós mesmas, respeitando o espaço de todos e tratando as pessoas com igualdade, acima de tudo. Enfim, eu sou APAIXONADA pela Jacqueline Carlyle e tenho certeza de que se você assistir vai me entender!

Os Assuntos de The Bold Type

The Bold Type aborda assuntos importantes como racismo, sexualidade e homofobia, machismo, masculinidade tóxica, abuso sexual e xenofobia, porém de uma forma bem "rasa", talvez pelo foco da série ser a vida das três amigas e o seu teor ser mais leve, são assuntos não aprofundados, mas que ainda deixam reflexões muito importantes.


Na sequência, Alex, Suton, Kat, Jane, Richard e Jacqueline.



Alex Crawford (Matt Ward) é um desses personagens que nos levam a reflexões importantíssimas, como o assédio e pautas raciais, que eu amei e acredito que merece ganhar mais destaque na série. Alex é super amigo, gentil, generoso, e como qualquer ser humano, já cometeu alguns deslizes, mas está sempre disposto a corrigir seus erros sem se esconder e transformar o seu próprio aprendizado em lições e mudanças a passar adiante. Além disso é ele quem muitas vezes traz pautas interessantes e dá aquele "empurrãozinho" que falta para que os demais encontrem o seu melhor. Para mim Alex é zero defeitos e merece ser mais exaltado na série.

Com quatro temporadas, The Bold Type já foi confirmada para a quinta - e última - que vai ser mais curta que as demais, com apenas seis episódios (não tem problema, a gente reprisa pra sempre igual a gente faz com Friends) e já foi lançada na plataforma Freeform, mas no Netflix ainda sem data de lançamento.
__


 
Quem sou eu?

Criadora do DMF, publicitária, modelo, vegetariana, apaixonada por moda sem regras, beleza sem crueldade, livros e música. Criei o blog DMF em 2016 pra compartilhar algumas ideias, e de lá pra cá aprendi muito e me apaixono cada vez mais pelo que faço! Me siga no Instagram @katiamalagodi pra acompanhar mais dicas e conhecer um pouco da minha rotina sem rotina, e siga o @docemaldadefeminina também pra acompanhar dicas exclusivas do Insta! Te encontro por lá!

Comentários