Pular para o conteúdo principal

DESTAQUE:

Setembro Amarelo é mais do que uma campanha

 Oi oi pessoas, como vocês estão? Essa semana é a minha estreia aqui no blog e vou conversar com vocês sobre saúde mental, bem-estar e autoconhecimento. E já que estamos no mês de Setembro acredito que é importante falarmos do Setembro Amarelo. Você já ouviu algo sobre isso?  Como começou a campanha Setembro Amarelo? Em 1994, um jovem americano de 17 anos, chamado Mike Emme, tirou a própria vida dirigindo seu carro amarelo. Comovidos com a situação, seus amigos e familiares distribuíram no seu funeral cartões com fitas amarelas e mensagens de apoio para pessoas que estivessem passando o mesmo desespero de Mike, e a mensagem foi espalhada mundo afora e chegou no Brasil.  Aqui no Brasil a campanha Setembro Amarelo foi criada a fim de informar a população e prevenir o suicídio. Afinal de contas, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a cada 40 segundos uma pessoa tira a própria vida em algum lugar do planeta, e o suicídio é a segunda principal causa de morte em jovens com idades en

Quando Nietzsche Chorou

Quando Nietzsche Chorou é mais um romance excelente de Irvin D. Yalom, um dos escritores mais conhecidos e respeitados da psicoterapia. Este é o livro que faz qualquer leitor se apaixonar por Yalom. Despertando o interesse do leitor em imediato, o romance é construído com personagens reais, tendo como protagonistas o grande filósofo alemão Friedrich Nietzsche (☆1844 - 1900♱) e o médico e fisiologista austríaco Josef Breuer (☆1842 - 1925♱), um grande contribuinte para as bases da psicanálise. 

Livro Quando Nietzsche Chorou

Sobre Quando Nietzsche Chorou

Josef é médico, aos 40 anos de idade começa a sentir-se estagnado com a vida que leva. Bem sucedido, casado com uma das mulheres mais bonitas de Viena, pai de cinco filhos, Josef percebe que a vida que ele gostaria de ter não é exatamente a vida que vive: porém, não sabe ao certo onde gostaria de estar. Em um dia comum, Lou Salome, uma jovem atraente e poderosa o procura em busca de ajuda para um amigo que sofre de dores insuportáveis e que perduram por dias. Porém, as dores de seu amigo não são o motivo principal de sua busca: ele é obcecado por Lou Salome após um caso romântico mal sucedido. Este amigo é Friedrich Nietzsche. Logo após ter conhecimento do caso de Nietzsche, Breuer hesita em tratá-lo, pois a própria Lou Salome enfatiza que o filósofo não busca ajuda e dificilmente aceita que o ajudem. Porém, a jovem que é incrivelmente sedutora e persuasiva o convence a aceitar o desafio.

Com muito esforço Josef consegue se aproximar de Nietzsche, sob o pretexto de que precisa da ajuda de Nietzsche para curar as dores de sua "existência" e ninguém melhor que um filósofo respeitado para ajudá-lo. O que para Breuer inicialmente era uma estratégia para conhecer o filósofo profundamente e trabalhar com a sua obsessão, com o tempo passa a ser mais que uma terapia. Embora Nietzsche seja muito reservado com relação aos sentimentos e não fale de si próprio, os dois começam a se aproximar verdadeiramente. Breuer se envolve em uma relação de auto-conhecimento e em cada sessão com o filósofo se sente mais ligado a ele. Porém, por mais ligados que estejam, Nietzsche é duro consigo mesmo e arisco quando se trata de revelar-se.

Minha Opinião Sobre Quando Nietzsche Chorou

Com um diálogo leve e envolvente, Quando Nietzsche Chorou é um livro pra ser devorado. Yalom é um escritor que consegue cativar seus fãs por construir romances fluídos, vivos, e ricos em auto-conhecimento, pois aprendemos muito com os seus personagens, nos leva a enxergar a nós mesmos de forma mais profunda, e quando conseguimos nos entender melhor, conseguimos entender ao próximo melhor. Qualquer obra do autor é uma porta de entrada para se tornar fã do tema de psicologia. 

Informações:

Capa comum: 376 páginas
Editora: HarperCollins Brasil
Idioma: Português
Dimensões do produto: 22,8 x 15,2 x 2,2 cm
Avaliação: 5 estrelas
Preço médio: entre R$25,00 a R$40,00 na amazon.com.br
__



 Quem sou eu?

Oi! Eu sou Kátia Malagodi, criadora do DMF, publicitária, modelo, vegetariana, apaixonada por moda sem regras, beleza sem crueldade, livros e música. Criei o blog DMF em 2016 pra compartilhar algumas ideias, e de lá pra cá aprendi muito e me apaixono cada vez mais pelo que faço! Me siga no Instagram @katiamalagodi pra acompanhar mais dicas e conhecer um pouco da minha rotina sem rotina, e siga o @docemaldadefeminina também pra acompanhar dicas exclusivas do Insta! Te encontro por lá!

Comentários